Cansaço.

Me sinto cansado. Cansando como jamais estive antes, sinto o cansaço em meus olhos que pesam uma tonelada. Sinto cansaço em meus braços que se limitam a alcançar o céu. Sinto cansaço em minhas pernas que me deslocam sem nenhuma pressa. Sinto cansaço em meus pés que me sustatam em qualquer viés. Sinto cansaço em meus ossos que se luxam abruptamente sem qualquer remorso. Sinto cansaço em meus dedos que se estalam como galhos secos. Sinto cansaço em minha voz que trêmula falha sem som sem sol. Sinto cansaço em meus dentes que rangem e esfarelam como abrasão, erosão, abfracao. Sinto cansaço em minha mente que se embaralha e se embaraça como névoa densa . Sinto cansaço em meus cabelos que caem ao chão sem qualquer intenção. Sinto cansaço em minha pele que se enrruga como se fosse um tecido amarrotado. Sinto cansaço em minhas bochechas que se contraem ao sorrir sem qualquer sentença. Sinto cansaço na alma que se escorre e transcorre a cada ida e volta. Sinto cansaço em ser, mas por hoje resolvi viver!

Caroline Gonçalves.

Outro dia.

O coração já se encontrava consumido de tentar procurar respostas.
O raciocínio já não se depara com a lógica, procurando lacunas para se esgueirar.
As palavras para se autodescrever esvaíam-se como água nascente, não mais sobrando uma gota do seu ser.
Rodeados de afazeres, rotineiramente não se mostram suficientes para completar esse vão.

Dentro desse vazio, há compreensão, pois, o que sou?
Insatisfações incompreensíveis, pois, o que falta?

E dentro desse paradoxo de solidão inerente, havia felicidade presente, contudo, essa solidão que prevacele e mantém seu vigor, mostrando seu valor na vida dos que não sabem viver e em discordância, distância daqueles que soubera o que é sobrepujar até o entardecer.
Então o silêncio vem junto ao anoitecer, este que, mesmo sempre tão cheio de si, jamais pudera abraçar o alvoroço da felicidade.
Outro dia há de se encerrar. Tão pouco entendia o que o coração queria, sequer o que sentia, só sabia que este ainda batia.

Como foi seu dia?

Caroline Gonçalves.