Perspectiva.

Incerta sobre meus pensamentos, vagueio por aí sem direção. Ao desfilar por dentro de mim, me deparo entre paredes pixadas de puro horror e nostalgia, são memórias esquecidas, memórias arquivadas, intituladas minhas experiências.

Estou vivenciando-me em pura lucidez. As paredes riscadas, aranhadas e maltratadas, agora em ruínas, acento tijolo por tijolo pintando tudo em tom de branco, só para dar impressão de maior.

E com esse espaço que me abre, me desrompe uma vastidão de solidão. Que inércia incumbida. Como permitir tais sentimentos defasados ao meu ser, sendo que me deparo em abundância de companhias.

Ao mesmo que me sinto ingrata pelo que me é dado, sinto amor e apreço por tudo que já houvera conquistado. Como posso ser tão contraditória a mim, questionando-me até o fim.

Fingindo acreditar ser normal, me faço racional e me ponho em suma prioridade. Hora de entender quem eu sou de verdade.

Sou nada além de uma extensão do que idealizo, logo, sou a essência do meu desejo. Desejo soberbo sobre tudo que anceio e almejo, tudo dentro do meu preceito.

Sentindo estar fora de percurso, saio dos eixos e entro em colapso me pondo à deriva de um precipício. Vou me jogar e contar com a sorte.

Que sorte a minha, era só questão de perspectiva. Agora tudo faz sentido. “É necessário sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós.”

Caroline Gonçalves.

Resolver

Certo dia resolvi escutar. De longe se ouvia uma voz a sussurrar, acalmei a alma, respirei bem fundo e decidi me atentar, me conectei com tudo que percorre meu radar, sintonizei minha frequência para poder captar a energia que circunda o meu ar, hoje atraio tudo aquilo que simpatiza com minha singularidade.

Um dia resolvi mudar. Mudei meus longos cabelos pintados, meu semblante apagado e disperso, mudei a maquiagem dos olhos e o estilo defasado. Substitui um discurso velho por um novo, sem mais pontos finais, hoje me permito reticências…

Chegou a hora mudar. Mudei minha risada abafada, meus argumentos falidos, mudei minhas desculpas esfarrapadas. Abstraí tudo aquilo que não agregava ou fazia falta e me repaginei com um novo sorriso estampado na cara.

Um dia resolvi deixar. Deixei meus medos abstratos de lado, os amores no passado, deixei de molhar os pés no raso e mergulhei ao fundo de minha particularidade, afinal, quem eu era de verdade?! Extrai toda insignificância do que é ser e senti toda uma vastidão do que é ser eu, hoje me permito desapegar para que o novo, puro e abundante possa entrar.

Chegou a hora de aceitar. Abracei a causa sem justificativa, sem nem questionar se havia discordância sobre mim, me calei no instante em que a intuição me tocou, preenchendo lacunas sobre dúvidas e receios. Não me sentindo mais sozinha, hoje estou muito bem acompanhada de mim. Agora posso transbordar.

Caroline Gonçalves.

Isso.

Isso, sem nome ou endereço que explode do peito, como uma onda em desalento sem nem ter despeito pelo próprio sujeito. Isso que habita inconscientemente que pulsa latente e desabrocha calmamente. Isso que por horas rasga e estrangula, massacra e sepulta uma vastidão de sentimentos. Isso que vem e vai como uma descoberta do que é sentir. Sentir isso, é como se você morresse e vivesse ao mesmo tempo e inconscientemente você despertasse para somente descobrir sobre isso. Isso que explode no leito do peito como gás em combustão, isso que sedmenta, rudmenta como lava em erupção, transbordando um sentimento de erudição, um despertar, uma ascensão. Desafogue e se desdobre sobre esse mar de vastidão, seja isso que habita em você e transborde em todo amanhecer.

Caroline Gonçalves.

Fotografia: @gayastudios

Busque.

Sinta aflorar um desobedecer e prevaleça em seu saber, transmita todo seu parecer de forma que lhe faça entender que de nada vale todo saber externo se não há o conhecimento interno. Praticar a conexão com o universo lhe fará compreender que tudo está relacionado à você como peça ímpar para algo muito maior, tudo dependerá de como você se doará a essa ligação. Vigie seus pensamentos, exclua palavras danosas do seu vocabulário, reluza o que há de mais profundo em você e compreenda que todos somos feitos de energia, porém o que nos diferencia é nossa pura e única essência. A evolução se dará pelo seu amor próprio e este não se limita ao seu fenótipo. Transforme seu genótipo para sua melhor versão, busque sua conexão e transborde toda a sua inspiração sem qualquer limitação, compartilhando tudo que seja condizente de sua opniao agregando valores no ato de compartilhar e se espiritualizar, aceitando tudo o que o universo tem para te proporcionar. Receba, sinta e seja a essência do seu eu a aflorar!

Caroline Gonçalves.

Corpo.

Peito aberto, riso largo, carrego comigo amores, amigos e laços apertados. Olhos abertos, cerrados e brilhantes, procuro enxergar a beleza a todo e qualquer instante. Mãos frias, dedos enrijecidos e gelados redijo ferozmente o que me foi ensinado. Braços fortes, entrelaçados ou amedrontados, abraço o futuro com vigor e fervor agradecendo pelo o que me foi dado. Coração apertado, pequeno e descompassado, sente saudade dos amores e sabores deixados. Mente aberta, dispersa e analítica, analisa a imensidão da mente sem ser invasiva. Pernas cansadas, pesadas e mórbidas, carregam o fardo de sempre me levar embora. Boca aberta, entreaberta ou gritando sou eu apenas mais um protagonista protagonizando. Ouvidos atentos, ouvindo e absorvendo o necessário, extraindo absolutamente tudo do imaginário. A voz que ensina sobre amor, soa com vigor e esplendor se estabilizando conforme o meu pavor. Estando internamente habitado por mim, me conforto com a forma que me formo diante as conformidades que me coloco, mas por hoje permanecerei calado diante o silêncio impregnado sobre esse ser defasado depois de mais um dia trabalhado. Estou cansado!

Caroline Gonçalves.

Pessoal.

Estar consigo exige muita coragem, estar por si requer muita bravura. Amar-se é para todos, mas são poucos que se bem-querem.
Apreciar-se é entender que você é um ser único e exclusivo e cada palavra ao vento é uma mandinga para bons pensamentos, bons momentos, alguns instantes sobre o tempo, tempo que insiste em correr contra o ponteiro só para poder ganhar mais tempo. Tempo incerto e impetuoso, disforme e incabível, que nos prende ao anuário e ao relógio, ciosos para que o tempo traga o momento específico, momento ideal, cabal e pessoal.

Viver coberto de certezas lhe faltará respostas e tampouco lhe sobrará perguntas.
Questionar-se, demanda de uma grande confusão mental, confusão irracional, sentimento literal e desproporcional. Duvidar sem criticar, dançar sem tropeçar, sorrir sem registrar, seja leve e livre, voe para onde o vento te soprar e quando chegar lá, agradeça pelo árduo caminho que tivesse que encarar. Entenda que “só não era feliz quem não sabia”, então saiba que só depende de você para tamanha sapiência e compreensão, seja calmo e aprecie a sua evolução.

Viaje por novos lugares, conheça novas cores e sabores, encare o hoje como um presente e agradeça pelo sol que volta a cada novo amanhecer. Descubra, desbrave, se aventure, encare, supere, acredite e seja. Seja mais leve, mais bondoso, seja mais confiante e afetuoso, seja mais sincero e honesto, seja mais otimista e siga perseverante, afinal, no final é tudo por você e pra você, então seja tudo o que puder e quiser, seja tudo aquilo que sonhou ser, seja simplesmente você.

Caroline Gonçalves.

Amor.

O que é o amor?! Se não tudo o que tem forma ou frase. Amores frágeis ou sólidos, palpáveis ou lógicos, lúdicos ou irreais, amores avassaladores em forma de temporal, vendaval, algo surreal.
Amores fracos por um fio ou resistentes como rocha, sedimentando por ternuras e temores junto a nossos amores. 
Amores loucos e desconexos, distantes e por vezes perto, sensatos e perspicazes, amores que servem para durar somente uma fase.
Longos amores que te arrebata como aluviões, te transporta sem direção e te tira o ar e o chão. Amores que vem e vão.
Amores sinceros e serenos, as vezes grandes ou pequenos, mas sempre amores verdadeiros. Amores que te ensinam a enxergar, amores que ensina a amar e a selecionar o que é verdadeiramente amor para se dar. 
Existem amores pragmáticos e caóticos, divergentes e opostos, que se amam incansavelmente até no fogo ardente, rasgando a alma abruptamente, e partindo gentilmente.
Busque amores leves e sem despeito, que haja respeito e honestidade, amores sem maldade e de grande integridade.
Existem amores displicentes e descontentes, cobertos de descuidados, existem amores fadados ao fracasso.
Percebo amores falidos e sobrecarregados, carregados de incertezas e decepções, amores que destroem os corações.
Corro atrás de amores recíprocos, respectivo e mutual, corro atrás de um amor incomparável e  usual,  um amor casual.
Me perco em loucos amores sem sentido, amores que me deixam aluado e perdido, amores por vezes sórdido e devasso, amores um tanto rasos sem prefácios.
Discorro sobre amores em geral, sobre amores fácies ou difíceis, amor consensual. Amores perdidos ou convenientes, amores um tanto  provenientes.
Me aprofundo no amor da igualdade, sempre disposta a expressividade clara em seu semblante na naturalidade em amar, pois o único quesito foi simplesmente simpatizar e partilhar.
Seja um amor que você quer ser para amar.
Caroline Gonçalves.