EU SINTO.

Sinto nas pontas dos meus dedos uma extensão de mim inexistente, como se eu fosse muito além do que vejo e sou.
Em meio a esse sentimento, exploro uma parte de mim ainda inabitável, onde o meu eu, ainda se encontra totalmente submerso e a parte, como se estivesse esperando o momento para acordar e prosseguir.

Sinto nas palmas de minhas mãos o suar gelado da incerteza, sem ter o preceito absoluto para o discernimento de escolhas ocasionais, escolhas que refletem em meu eu como aquarela a escorrer, sem dar brechas para o específico, para o ideal.

Sinto dentro do meu corpo um pulsar descomunal, que me sufoca e me corrói como ferida latente, abrangente em minha alma, esta, que se intitula ser a minha essência a minha experiência, o meu eu inconfundível perante tudo aquilo que se diz estar vivo.

Sinto no descompasso acelerado de minhas batidas a vontade de ser livre,
a vontade de voar, a necessidade de existir. Existir verdadeiramente, inteiramente e intensamente, não dando ranhura para as dúvidas que insistem em me rodear e me desnortear…

Sinto no ar que respiro, o frescor de mais uma manhã nascente, a brisa leve em meu rosto e o despertar de um novo começo. Sinto tanto dentro de mim que julgo não sentir nada, sinto um vazio que transborda pelas escoras do meu eu, me desmoronando aos poucos me levando a ciclo de recomeços infindáveis, me levando a loucura do precipício.

Eu sinto.

Caroline Gonçalves da Costa

Alphonsus de Guimaraens

Alphonsus de Guimaraens

Alfonso Nasceu em 24 Julho 1870
Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.

E teve sua Morte em 15 Julho 1921,
Mariana, Minas Gerais, Brasil.

Alphonsus Guimaraens, pseudônimo de Afonso Henrique da Costa Guimarães foi um grande escritor brasileiro.

ISMÁLIA


Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar…
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.

No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar…
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar…

E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar…
Estava perto do céu,
Estava longe do mar…

E como um anjo pendeu
As asas para voar…
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar…

As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par…
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar…

GUIMARAENS, Alphonsus

O esperar.

Estou esperando…
Esperando o momento chegar, a vida acontecer, o desejo florescer.
Esperando o choro cair, o sorriso se abrir, a sede matar.
Esperando o amor transbordar, a esperança renovar e o afeto calar.

Estou esperando…
Esperando o mundo girar, as horas passar e o momento chegar.
Esperando a tempestade se acalmar, a chuva cessar e o sol brilhar.
Esperando o copo derramar, a alma a lavar e o vento me levar.

Estou esperando…
Esperando o abismo me buscar, a calma me tomar e a raiva se dissipar.
Esperando o sono chegar, a saudade bater e a vontade aumentar.
Esperando o inesperável acontecer, o impensável supor e o amanhã sobrepor.

Estou esperando.

Caroline Gonçalves da Costa.

Amanhã talvez?

Meu nome é Caroline Gonçalves da Costa, tenho 23 anos, sou natural de Pelotas, Rs e realmente não faço ideia do que estou fazendo aqui, assim como em qualquer outra fase da minha vida.

Sempre gostei de escrever e acredito que este será um bom lugar para falar de vários assuntos aleatórios e sobre meu fatídico dia a dia. Sinto muito, mas isso irá acontecer.

Faz isso não menina.

  • Meu objetivo é desopilar um pouco com novos conteúdos e informações, mantendo atualizações sobre os corriqueiros dias.
  • Por favor gente, não faço fofocas, somente comentários a respeito, não me julguem errado.
  • Realmente não espero conquistar nada com esse Blog, só paz e tranquilidade pra falar sem julgamentos.
  • Por enquanto isso é tudo pessoal.

Caroline Gonçalves da Costa

Mas o que falar?

Meu Deus, quem sou eu?

Nunca tenho certeza sobre o que realmente escrever, sinto que posso mentir fazendo isso, sinto que não me conheço de verdade. Estou sempre absorta em meus pensamentos, sempre vivendo o amanhã como uma constante sem fim. Nem saberei se esse vai chegar realmente. Mas, de uma coisa eu tenho certeza, nunca sabemos o suficiente para resolver os problemas do dia a dia.

Rotinas? Adoro

Rotinas? odeio

Enfim, mesmo para quem não acredita, sou totalmente meu signo descrito, geminiana, e em grande parte me questiono o porquê e como fui chegar nesse momento de vida.

Este local será mais para um desabafo cotidiano dos maçantes dias que sobrevivemos.

Caroline Gonçalves da Costa