Agora.

Consciente da minha existência, me permito existir nesse instante de vida me consolidando e difundido com as energias que circundam o meu ar.

Ar que me faz ofegar sobre as coisas que tiram meu fôlego, dando uma estruturação significativa e contemplativa, contextualizando e emergindo de tudo aquilo que mentalizo e cocrio.

O acaso surge pelas brechas do vento, servindo como prenúncio a algo inusitado, de longe eu escuto um chamado, me ponho em atenção, essa é a voz da minha intuição.

Sigo em direção ao sol e prevejo um futuro iluminado sem tantas controvérsias de ser quem sou, sendo assim, andarilho feliz por onde quer que eu vá, pois sei que estarei lá quando chegar.

Se aprecias tua companhia, nunca estarás só, a solidão só vem se você deixar de se amar. Ame e desbrave cada canto seu, se conheça e entenda as leis que pairei-a sobre o seu universo, abrace a vida e viva com a certeza de estar fazendo o seu melhor, seja pra você ou para próximo, a boa ação só tem que vir do coração, dessa forma alcançarás a gratidão.

Caroline Gonçalves

Único.

Existe um sentimento de unidade que me preenche, abrindo um vácuo imenso de unicidade e reciprocidade que transborda em meu ser, me dando brasão para crescer, viver e morrer. Poder estar na presença desse sentimento me permito escutar o que tem dentro, ouvindo e entendendo atentamente sobre meu coração, pulsão e imersão, julgando e questionando tudo que seja duvidável, excluindo e substituindo errôneos pensamentos sobre a vida. Reeduco meus valores e me adapto ao meu novo eu.

Trabalho árduo este, se conhecer todo dia!

Caroline Gonçalves.

Abastar

Abster-se da necessidade de se completar com terceiros é saber valorizar a significância da sua existência. Acolha e acuda a sua alma, dê prioridade a sua paz. Culmine e cauterize essa carência impregnada em seu interior, arranque essa indigência caracterizada de solidão, preencha-se de solitude e transborde em comunhão com a sua singularidade, seja o seu amor de verdade.

Não se complete com metades, sejas previamente inteiro consigo e conseguirás verter de onde for. Sejas nascente e beba de sua própria água e sacie a sua sede com calma, gota por gota se inunde de pura satisfação e gratificação, esse é o seu momento de contemplação, vislumbre com emoção e se comova com sua condição de libertação, é hora de abraçar o seu coração.

Renuncie suas expectativas sobre o outrem, não dependa dessa necessidade de fantasia, não caleje uma vontade ilusória, não alimente futuras decepções, não fulmine expectações, não sabote seu interior com preposições, não autorize ninguém a esperar nada de você e não espere nada de ninguém também. Desconstrua essas estruturas fictícias e se surpreenda com o belo e inevitável acaso, dê vazão a vida e deixe fluir sem conjectura, afinal o ideal é por definição, inalcançável.

Caroline Gonçalves.

Falta.

Estou emaranhada, coberta por um novelo que tecela sobre mim sentimentos mau compreendidos, me pondo em um estágio de contentamento descontente, acumulando dúvidas sobre o que sentir, ser e fazer. E nesse estado de entendimento, entendo o desconhecido e sem saber dizer sigo em frente, absorta pelos meus pensamentos, me proporcionando novos sentimentos e descobrindo novas possibilidades sobre o tempo.

Sentindo esse espaço  se abrir, tomo uma iniciativa para prosseguir, me instigando a perseguir incisivas decisões, soldando tudo em puro chumbo so pra ter a certeza de pés firmes no chão. Respiro com calma e deixo o ar tomar conta de cada lacuna do meu ser, respiro fundo e sinto bem ao fundo de meus ossos o estalar da alma para um novo despertar. É hora de acordar, o sol já vai raiar para um novo dia começar!

Caroline Gonçalves.

Perspectiva.

Incerta sobre meus pensamentos, vagueio por aí sem direção. Ao desfilar por dentro de mim, me deparo entre paredes pixadas de puro horror e nostalgia, são memórias esquecidas, memórias arquivadas, intituladas minhas experiências.

Estou vivenciando-me em pura lucidez. As paredes riscadas, aranhadas e maltratadas, agora em ruínas, acento tijolo por tijolo pintando tudo em tom de branco, só para dar impressão de maior.

E com esse espaço que me abre, me desrompe uma vastidão de solidão. Que inércia incumbida. Como permitir tais sentimentos defasados ao meu ser, sendo que me deparo em abundância de companhias.

Ao mesmo que me sinto ingrata pelo que me é dado, sinto amor e apreço por tudo que já houvera conquistado. Como posso ser tão contraditória a mim, questionando-me até o fim.

Fingindo acreditar ser normal, me faço racional e me ponho em suma prioridade. Hora de entender quem eu sou de verdade.

Sou nada além de uma extensão do que idealizo, logo, sou a essência do meu desejo. Desejo soberbo sobre tudo que anceio e almejo, tudo dentro do meu preceito.

Sentindo estar fora de percurso, saio dos eixos e entro em colapso me pondo à deriva de um precipício. Vou me jogar e contar com a sorte.

Que sorte a minha, era só questão de perspectiva. Agora tudo faz sentido. “É necessário sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós.”

Caroline Gonçalves.

Resolver

Certo dia resolvi escutar. De longe se ouvia uma voz a sussurrar, acalmei a alma, respirei bem fundo e decidi me atentar, me conectei com tudo que percorre meu radar, sintonizei minha frequência para poder captar a energia que circunda o meu ar, hoje atraio tudo aquilo que simpatiza com minha singularidade.

Um dia resolvi mudar. Mudei meus longos cabelos pintados, meu semblante apagado e disperso, mudei a maquiagem dos olhos e o estilo defasado. Substitui um discurso velho por um novo, sem mais pontos finais, hoje me permito reticências…

Chegou a hora mudar. Mudei minha risada abafada, meus argumentos falidos, mudei minhas desculpas esfarrapadas. Abstraí tudo aquilo que não agregava ou fazia falta e me repaginei com um novo sorriso estampado na cara.

Um dia resolvi deixar. Deixei meus medos abstratos de lado, os amores no passado, deixei de molhar os pés no raso e mergulhei ao fundo de minha particularidade, afinal, quem eu era de verdade?! Extrai toda insignificância do que é ser e senti toda uma vastidão do que é ser eu, hoje me permito desapegar para que o novo, puro e abundante possa entrar.

Chegou a hora de aceitar. Abracei a causa sem justificativa, sem nem questionar se havia discordância sobre mim, me calei no instante em que a intuição me tocou, preenchendo lacunas sobre dúvidas e receios. Não me sentindo mais sozinha, hoje estou muito bem acompanhada de mim. Agora posso transbordar.

Caroline Gonçalves.

Isso.

Isso, sem nome ou endereço que explode do peito, como uma onda em desalento sem nem ter despeito pelo próprio sujeito. Isso que habita inconscientemente que pulsa latente e desabrocha calmamente. Isso que por horas rasga e estrangula, massacra e sepulta uma vastidão de sentimentos. Isso que vem e vai como uma descoberta do que é sentir. Sentir isso, é como se você morresse e vivesse ao mesmo tempo e inconscientemente você despertasse para somente descobrir sobre isso. Isso que explode no leito do peito como gás em combustão, isso que sedmenta, rudmenta como lava em erupção, transbordando um sentimento de erudição, um despertar, uma ascensão. Desafogue e se desdobre sobre esse mar de vastidão, seja isso que habita em você e transborde em todo amanhecer.

Caroline Gonçalves.

Fotografia: @gayastudios

Busque.

Sinta aflorar um desobedecer e prevaleça em seu saber, transmita todo seu parecer de forma que lhe faça entender que de nada vale todo saber externo se não há o conhecimento interno. Praticar a conexão com o universo lhe fará compreender que tudo está relacionado à você como peça ímpar para algo muito maior, tudo dependerá de como você se doará a essa ligação. Vigie seus pensamentos, exclua palavras danosas do seu vocabulário, reluza o que há de mais profundo em você e compreenda que todos somos feitos de energia, porém o que nos diferencia é nossa pura e única essência. A evolução se dará pelo seu amor próprio e este não se limita ao seu fenótipo. Transforme seu genótipo para sua melhor versão, busque sua conexão e transborde toda a sua inspiração sem qualquer limitação, compartilhando tudo que seja condizente de sua opniao agregando valores no ato de compartilhar e se espiritualizar, aceitando tudo o que o universo tem para te proporcionar. Receba, sinta e seja a essência do seu eu a aflorar!

Caroline Gonçalves.

Cansaço.

Me sinto cansado. Cansando como jamais estive antes, sinto o cansaço em meus olhos que pesam uma tonelada. Sinto cansaço em meus braços que se limitam a alcançar o céu. Sinto cansaço em minhas pernas que me deslocam sem nenhuma pressa. Sinto cansaço em meus pés que me sustatam em qualquer viés. Sinto cansaço em meus ossos que se luxam abruptamente sem qualquer remorso. Sinto cansaço em meus dedos que se estalam como galhos secos. Sinto cansaço em minha voz que trêmula falha sem som sem sol. Sinto cansaço em meus dentes que rangem e esfarelam como abrasão, erosão, abfracao. Sinto cansaço em minha mente que se embaralha e se embaraça como névoa densa . Sinto cansaço em meus cabelos que caem ao chão sem qualquer intenção. Sinto cansaço em minha pele que se enrruga como se fosse um tecido amarrotado. Sinto cansaço em minhas bochechas que se contraem ao sorrir sem qualquer sentença. Sinto cansaço na alma que se escorre e transcorre a cada ida e volta. Sinto cansaço em ser, mas por hoje resolvi viver!

Caroline Gonçalves.

Encarar.

Sentindo o agora se estabilizar, transbordo toda energia pra tudo se dissipar, movimentando o ar e a ação de poder me transformar. É momento de calar e escutar, perceber o que se passa no meu circundar e entender que tudo é uma questão de ser e não de estar. Aceitar e transmitir o ato de transmutar, se renovar e praticar o sentimento de se amar e se aceitar.  É hora de acreditar e realizar, incluir na rotina o fato desejado. Registar, gravar, rabiscar e espalhar, de modo que meus olhos possam confrontar o pressuposto improvável. Encaro e retraio a cara para o retrato estampando de tamanha importância que se intitula, Eu. Quanta ênfase a mim. Seja e faça pelo fato, e não pelo ato de querer se enobrecer, enriqueça seu coração de pura energia em expansão e sinta a vibração do seu Eu em ascensão, vivencie o ato de vivenciar a experiência e se experiencie-se disso. É momento de contemplação, vislumbre a praticidade que foi encontrar na simplicidade a facilidade de receber os pedidos dissipados  ao universo, palavras ao vento ganham força quando ditas com vontade, tenha veracidade e humildade, grandes ditos ressoam na eternidade, vozes eufóricas gritando por liberdade. Encare tamanha complexidade e se depare com o seu Eu implorando por saciedade. Alimente sua vontade, sua capacidade, sua singularidade e viva sob a certeza da sua existência nesse instante de vida.

Caroline Gonçalves.